Em Habitáculos, a casa é apresentada enquanto objeto emblemático, estético, que contém uma história.  Nesta narrativa, a casa semi ficcionada surge como cenário de uma deambulação pelos seus espaços interiores, expandindo-se até o local da exposição, para depois acabar no reflexo de uma jante de automóvel.